Meu mundo expresso de várias formas... (my routes, my rules)

sábado, janeiro 12, 2008

Três Loucas na Casa de Cultura

[Foto 1: Casa de Cultura Mário Quintana, sob o ponto de vista da Vivi]

Porto Alegre, 03 de Janeiro de 2008.


Primeira quinta-feira do ano - teria sido só mais um dia quente na capital gaúcha, se não fosse à presença de três loucas, com características típicas das Divas dos filmes de Pedro Almodóvar, passeando pelo centro da cidade. Duas delas foram reconhecidas como as “Duas Loucas de Vestido Vermelho e Óculos Escuros”, que no final de dezembro de 2006 causaram polêmica no Parcão – conhecido parque familiar de Porto Alegre.

Suspeita-se de que elas pertençam a uma nova gangue, composta exclusivamente por mulheres sorridentes e enigmáticas, cuja área de atuação continua sendo um mistério para as autoridades. Essa hipótese, recentemente confirmada pelo Departamento de Polícia, ganhou força devido à presença de uma terceira “elementa” neste encontro, que parecia estar compactuando com as atividades da já conhecida dupla.

A nova integrante foi considerada tão perigosa e carismática quanto às outras duas, presumidas como as fundadoras desta quadrilha ou bando. Não se sabe exatamente quantas mulheres pertencem a esse grupo. As poucas informações que se tem a respeito delas provêm do relato de várias testemunhas, que insistem em manter o anonimato. Deve ser por esta razão que se exige cautela na investigação, acredita-se.

As Três Divas-Almodovarianas, inicialmente foram vistas andando na rua da praia em direção ao Gasômetro. Ao chegarem lá, sabe-se que alguns ‘elementos-suspeitos’ que por ali transitam, ficaram intimidados com a presença das três, que aparentavam estar alheias ao que acontecia ao redor. Estavam totalmente concentradas no assunto que falavam entre si, segundo agentes disfarçados que tentaram aproximar-se delas - a fim de tentar descobrir o que estavam arquitetando em meio a tantas gargalhadas - sem nenhum sucesso. Elas ficaram um tempo sentadas a beira do Guaíba, filosofando com seu cigarrinho-esquisito e óculos-escuros, depois se dirigiram ao famoso Café Majestic da Casa de Cultura Mário Quintana.

[Foto 2: Vista do Majestic, pena que a câmera não captou o lindo rosa-lisás ao fundo, que estava anunciando a chegada do azul-noite. by: Ane]


- Elas chegaram, mal olharam o cardápio e já pediram bebidas alcoólicas. – relatou um dos garçons do local.
- Ouvi uma dizer que elas eram a reencarnação da Heleninha Roitmann. – informou um temeroso desconhecido.
- Tiravam fotos uma das outras, a todo o instante, sem fazer pose. Pareciam que não estavam se fotografando, e sim, fotografando o local, ou os prédios em volta. Também notei que uma delas anotava tudo o que elas diziam em um bloquinho. Talvez estivessem colhendo informações para algum plano mirabolante.... – especulou outra testemunha, que implorou para não ser identificada.

Soube-se também, que entre os pedidos de música que elas fizeram ao cantor do Café, foi a música “Lança Perfume”. No que se refere à conduta das três loucas, as opiniões dos que estavam presentes no Café naquela noite quente divergem. Muitos alegaram que tiveram a nítida impressão de estar assistindo a um episódio do seriado “Sexy and The City”, ao vivo e a cores.

[Sexy and The City: Charllot, Carrie, Miranda e Samantha - será que elas também pertencem a essa gangue de mulheres super poderosas?]


- Ouvi uma delas afirmar com veemência de que era a Carrie, outra admitiu se identificar com a Samantha, enquanto a terceira desconhecia totalmente as personagens do seriado! – completou outra testemunha.

Outros, no entanto, descrevem o encontro das três como uma fusão genética da Heleninha Roitman com a Maria Alice.
- Elas fumavam um cigarrinho-esquisito e faziam pose de Greta Garbo ao soltar a fumaça. – comentou um cinéfilo de plantão.
- Não sei o que elas pretendiam de fato, só sei que davam risada o tempo todo e pareciam estar em outro mundo. – descreveu outro espectador.

Após o animado e misterioso encontro, as três Heleninhas pagaram à conta e abandonaram a famosa Casa de Cultura Mario Quintana. Antes que alguém pudesse segui-las, elas sumiram misteriosamente entre as antigas ruas do centro da cidade. Especialistas temem que elas tenham adotado a bela Casa de Cultura como ponto de encontro, embora admitam que será mais fácil de investiga-las, caso essa hipótese se concretize.


***


Apenas um breve relato do meu encontro com a Vivi e a Ane (ok, talvez o relato não tenha sido tão breve!). A Vivi é uma grande amiga (outras vezes citada nesse blog) que atualmente tá morando em Sampa. A Ane é uma nova amiga, muito querida e ótima escritora, que conheci por intermédio da Vivi, há cerca de um ano, quando nós montamos um grupo literário (que atualmente anda largado às traças).

[Foto 3: Vivi ao centro, eu e a Ane.]


Toda vez que a Vivi vem visitar o povo do Sul, a gente dá um jeito de se encontrar. Como é de praxe, nossos encontros sempre dão o que falar, e rendem muitas risadas! A presença da Ane completou o poder das heroínas. Foi um fim de tarde muito agradável, que virou uma happy-hour na Casa de Cultura, com direito a assuntos sérios, “alguns” chopes, filosofias existências, cigarros que pareciam mini-charutos, análise de roteiro, planos de reativar nosso grupo literário, um pouco de bobagem, confidências e anotações de algumas pérolas (fruto das nossas conversas desvairadas).


[Nós três, em versão de Super Heroínas: eu sou She-Ra!, Vivi é a Cheetara, e a Ane a Mulher Maravilha. Cuidado com a gente!]


Eis as pérolas originadas do nosso encontro (ai), juntamente com a ‘legenda’ que tenta explica-las: [embora saibamos que, na vida, muitas coisas não têm explicação!]

"Pressionados" – não lembro a razão dessa palavra ter sido anotada (comecei bem!), mas tenho motivos pra acreditar que o assunto era sério! Vocês lembram o que era, gurias?
"Citotec (google)" fruto da análise de roteiro, uma das gurias sugeriu a pesquisa desse remédio no google (o nosso oráculo), a fim de enriquecer a personagem motivo de nosso debate.
"Pomba-gira" a frase original era: “quando começo a beber baixa a pomba-gira, e dá vontade de fumar” – dita por uma de nós. [Ok! Fui eu que disse isso, abafa o caso!]
"Homens se assustam" ...com mulheres de atitude! Talvez tenha sido esse o assunto!
"ces´t la vie" precisa dizer mais?
"O problema do Brasil é o Paraguai" frase dita pela minha célebre avó, ao justificar a situação econômica do nosso país para o meu cunhado estrangeiro (eu e a Vivi sempre nos lembramos dessa pérola!).
"Não deixa piorar que é pior" – dá pra notar o quanto a gente já tinha bebido a uma hora dessas!
"Pobreza, castidade e obediência" ouvimos alguém da mesa de trás dizer isso. Uma de nós perguntou: “o que faz as pessoas irem para um bar falar de castidade?” – outra especulou: me parece que estavam falando de padres franciscanos, onde mais se encontraria essa 3 "dádivas"!

"Castidade, tô fora!"
- "Tenho a impressão de que só a gente tá se divertindo nesse lugar!"



Valeu o encontro gurias! Tava show!!
Muito em breve, nosso grupo literário será reativado, aguardem!!


Ps: outras versões desse encontro no blog da Ane e da Vivi.

2 comentários:

Vivi Cardoso? disse...

Mari,

O prazer de ter vivenciado o conto e depois ler em suas palavras... Ah, op razer é grande! Tu é ótima, Mari!
Me valeu muitas risadas!
Bjuuusss

Nina Antonioli disse...

Eu me divirto a valer com essas histórias! O mais simples encontro de amigas, se torna um célebre conto cheio de "tá, e o que rolou depois?"

Beijocas